Em Busca da Felicidade...

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

O Pós-operatório!

Bem, retorno minhas postagens falando do CTI... Aliás, foi assim que parei na última conversa.
Galera, pra mim o CTI foi tranquilo! Assim que saí da sala de cirurgia, passei pelo marido e mamys mas não conseguia de jeito nenhum permanecer com os olhos abertos. Aliás, já sabia que isso iria acontecer. Após a anestesia a gente fica "na mão do palhaço". Enfim, cheguei no CTI e só escutava a galera falar e sentia o povo me arrumando e monitorizando. Escutei ao fundo o meu médico falando: "não abaixem a cabeceira"! e isso ficou de alerta pra mim também...
Cheguei no CTI umas 18:30 e depois que o povo tinha me deixado "bunitinha" entrou meu marido. Tentei falar com ele mas acho que nesse momento não consegui falar nada. Tentava por gestos falar que estava muito enjoada mas como ele não entendeu e estava cansada de ficar fazendo mímica, deixei pra lá. Depois entrou minha mamys, e sinceramente nem lembro de quase nada *rs. Sei que assim que eles foram embora fiquei com a tática de dormir até amanhecer pois sabia que no dia seguinte iria estar no quarto com meu pessoal.
Durante a noite, como uma boa fisioterapeuta que sou *rs, fiquei movimentando bem minhas perninhas pois sei do risco de trombose. Então era um cochilo e logo depois acordava e mexia minha pernas, mas logo depois tentava dormir novamente pro tempo passar mais rápido. A minha "colega" de quarto no CTI é que me dava vários sustos. Toda hora acordava assustada com ela chamando o enfermeiro Alex *rs. Não vou nunca esquecer disso! *rs. E assim a anestesia foi passando e sempre que aparecia o "Alex" eu perguntava a hora e tentava dormir novamente. Até que a enfermeira que ouvi falando quando cheguei veio conversar um pouco comigo. Ela também ia realizar a gastroplastia e estava fazendo exames médicos. Contou até uma história triste de que 3 pessoas se internaram em estado grave nesse mesmo CTI após gastroplastias e não resistiram. Gente, deixa eu dar um alerta!!! Ela comentou isso quando eu estava ainda groge e escutei tudinho, imagina se eu fosse uma desesperada? Eu não fiquei pois já tinha feito estudos sobre gastroplastias (meu artigo de final de faculdade foi sobre esse tema - ironia do destino? *rs) e já tinha trabalhado em CTI com pacientes assim, uns muito mal e outros bem, então fiquei normal, mas se fosse aguém que se impressiona rápido iria ali mesmo se jogar pela janela! *rs Então, vocês que trabalham em CTIs tomem cuidado!!! A menina, coitada, foi super simpática e adorei conversar com ela. Aliás, acho difícil ela me encontrar por aqui mas caso ela me encontre deixo o meu BOA SORTE na cirurgia dela! ;)
Vamos voltar a minha estadia no CTI. Enfim, foi tudo ótimo!!! Movimentei bastante minhas pernas, conversei (pouquinho pois logo ficava enjoada) e logo chegou a manhã! Adorei ver a claridade! A minha querida Dra. Marcela apareceu, me examinou e me mandou pro quarto!
Recomendações:

Dormir pouco (8h-9h já tava bom);

Ficar acordada pra andar pelo corredor e quarto;

Beber os líquidos na hora certa.

Então fui pro quarto e lá estava mamys me esperando. Fiquei na ala da maternidade. Todas aquelas portas com a descrição: "Cheguei!!! Meu nome é fulano" Queria fazer um pra mim também assim: "Cheguei! Meu nome é Tomaguinho" (nome que dei aos 80% do meu estômago que foi retirado *rs), mas não rolou.

Enfim, meu dia no quarto foi pior do que o CTI. Não podia falar muito que logo me dava gases e muito enjôo. E quando veio o líquido queria jogar pela janela pois a água de coco industrializado é muito ruim. Andava, bebia, enjoava... Até que veio a noite e meu maior sofrimento. Perdi o acesso venoso do soro e medicamentos! Era meu pior pesadelo pois ninguém consegue achar veia fácil em mim e nesse dia não foi diferente. Veio o anestesista do hospital e nada! Umas 10 furadas no mínimo e cada vez mais nos lugares que mais doíam. Cheguei ao desespero, fiquei nervosa, comecei a tremer pois sabia que precisava desse acesso pois além de tudo estava um pouco desidratada. Sabia que iria precisar de um acesso e se não fosse esse iria ter que chamar um cirurgião e pegar uma veia mais profunda. Mas, graças a Deus, meus médicos decidiram que não precisava me darem mais furos e eu iria ter que beber mais água pra me hidratar. Os remédios? Tudo amassadinho (horrível). Passei a noite abalada com isso, nervosa, tremendo mas meu marido estava lá comigo e fui me acalmando aos poucos.

No dia seguinte, doida pra ter alta e só fui ter alta mesmo às 18h...

Mas enfim, estava mto feliz por ter passado pela etapa hospitalar bem (na medida do possível). Fui direto pra casa de vovó ficar lá com mamys. Me proibiram de ir pra casa por causa da minha filha, uma Jack Russel de 9 meses que com certeza não ia conter sua emoção e iria querer pular em cima de mim *rs. Mas isso só durou 5 dias pois depois fui pra casa feliz da vida!

Um comentário:

Renascer disse...

Oi Amanda

Que bom que vc me visitou estou muito feliz por isso, que enfermeira mais sem noção, falar uma coisas dessas perto de quem acabou de fazer a cirurgia, aff, ainda bem que vc estaba bem informada viu.
bjx